• 19 de December de 2017
  • 0

BUSCANDO O ESPAÇO PERDIDO – Assembleia de Deus aposta em novos candidatos para as eleições de 2018

Na semana passada, a Convenção Estadual da Assembleia de Deus no Maranhão (CEADEMA), realizou na cidade de Chapadinha, sua 78ª Assembleia Geral Ordinária, e durante o evento, o presidente da referida convenção, Pastor Pedro Aldir Damasceno, e o presidente do Conselho Político da Convenção Geral da Assembleia de Deus no Brasil (CGADB), Eleazar Ceccon, confirmaram os nomes que deverão concorrer a mandatos políticos com o apoio da Assembleia de Deus no Maranhão.

Dentre os nomes confirmados, está a deputada federal Eliziane Gama (PPS), como pré-candidata a uma das vagas ao Senado nas eleições de 2018. A deputada, que agora pretende alçar voos mais altos, espera contar com o apoio maciço da igreja para sua empreitada, mas esbarra no desafio de recuperar sua credibilidade política sobretudo a capital, onde ela viu sua popularidade estremecida a pouco tempo, duramente as eleições municipais.

Considerado um verdadeiro tombo político, na época, a deputada até começou a pontuar bem, estando sempre à frente nas pesquisas antes do processo eleitoral, chegando a casa dos 30 pontos, mas surpreendentemente terminou o pleito em quarto lugar, com pouco mais de 6% dos votos válidos, ou seja, teve seu sonho adiado por uma escalada crescente de erros em sua campanha, feita de forma amadora, e também por adotar uma postura de ataque, que não lhe caiu bem, e a fez desperdiçar um tempo precioso diante do eleitorado, em suas inserções políticas e no horário eleitoral gratuito.

Por outro lado, Eliziane, notadamente antes desse atropelo que foi a eleição municipal, vinha construindo uma carreira meteórica e em franca ascensão, já tendo sido deputada estadual, e logo em seguida a deputada federal mais votada do estado. Eliziane sempre teve como pano de fundo em suas campanhas, temas relevantes para a sociedade, mas sua fama de estrategista não foi suficiente para conduzi uma campanha exitosa, e isso, com certeza, a fez repensar muito sua forma de fazer política. Pois mesmo tendo uma atuação parlamentar considerada boa, e seu nome ausente da enxurrada de escândalos políticos recentes, a deputada não conseguiu convencer o eleitorado de São Luís a lhe garantir os votos necessários pelo menos para chegar ao segundo turnos das eleições.

Apesar das vantagens acima citadas, só isso não basta para um vôo tão alto, pois a guerra pelo senado vai muito mais além, já que no Maranhão, o cargo sempre foi conquistado, em sua maioria, por ex governadores. Eliziane agora corre para buscar apoio do governador, para que seu nome seja confirmado, na chapa oficial de Flávio Dino.

Ainda sobre o audacioso projeto de Eliziane, pesa uma complicada contrapartida, ou seja, o apoio da igreja estaria condicionado a uma clausula de permanência, pois na prévia realizada na cidade de Santa Inês, ficou acordado que os candidatos escolhidos não poderão voltar atrás caso não conseguissem apoio político necessário para a disputa do cargo ao qual se propuseram, ou seja, caso a deputada Eliziane, por algum motivo desista de disputar o senado, não poderá contar com o apoio da igreja para disputar outros cargos, como deputado federal e estadual, pois outros nomes já estão também confirmados para esta disputa. Essa clausula aumenta ainda mais a tensão da deputada em ter que horar este compromisso sob pena de possivelmente ficar sem mandato, caso recue de sua candidatura ao senado.

Câmara Federal

Já na disputa para o mandato de deputado federal, a CEADEMA confirmou o nome do pastor Gildenemyr Sousa, que apesar de ainda ser desconhecido no cenário político, já se mostra ser um grande articulador, e ao que parece, com chances reais de chegar ao parlamento federal. O nome do ‘pastor Gil’, como é mais conhecido, foi confirmado por mais de 300 pastores na prévia realizada em Santa Inês.

Por outro lado, nem todos ficaram satisfeitos, a exemplo do ex deputado federal Costa Ferreira, que parece ter chegado ao ocaso de sua carreira política, pois na disputa prévia, o mesmo recebeu menos de 30 votos.

Do alto de sua carreira política de mais de 40 anos, sendo sete mandatos como deputado federal, Costa Ferreira agora parece estar em seu maior momento de fragilidade política, após perder o comando do seu antigo partido, o PSC, ele agora, juntamente com os filhos, desembarcaram no PTC, a convite do deputado Edivaldo Holanda.

Costa Ferreira, se mostra magoado por não ter sido um dos escolhidos para disputar o pleito com o apoio oficial da igreja, a qual fez grandes elogios, mas não escondeu sua recente frustração.

Ouvido pelo blog, Costa Ferreira fez duras críticas a comissão política da Igreja Assembleia de Deus. Ele reclamou que mesmo diante de sua experiência, nunca foi solicitado a opinar e discutir os rumos políticos da igreja. “Quem não entende de política é que está dando opinião, e isso tem levado à bancarrota a parte política da igreja”.

Ainda mostrando descontentamento com a situação, o deputado disparou que teria sido enganado e que a escolha dos nomes na prévia realizada na cidade de Santa Inês teria sido um jogo de cartas marcadas. “me enganaram lá, pois fizeram carta marcada, colocaram a votação num dia de semana, onde levaram quatrocentos pastores, todos para votar no Gildenemyr, que teve cerca de 380 votos e eu fiquei em terceiro lugar com apenas 29 votos, como se fosse um ilustre desconhecido deste país”, disparou Costa Ferreira.

A afirmação do deputado foi rebatida pelo pastor Fábio Leite, membro da comissão política da igreja Assembleia de Deus em São Luís. Leite, que já foi candidato a vice prefeito de São Luís, na chapa do ex deputado Clodomir Paz, frisou que houve lisura na realização das prévias e que tanto a escolha da data, da cidade, assim como o regulamento das prévias foram decididos em plenária. Fábio Leite, que também é capelão da Polícia Militar do Maranhão, ainda ressaltou que o desgaste da casse política diante da população tem feito com que muitos estejam sentindo mais fortemente esta rejeição, e a renovação política é um processo natural, que pode trazer insatisfação a alguns, mas que é inevitável diante da necessidade de se ter novos nomes para que se mantenha na política, o espaço da classe evangélica na defesa dos princípios cristãos.

Disputa estadual

Já para a disputa para o cargo de deputados estaduais, dois nomes foram confirmados como sendo os que terão apoio da Assembleia de Deus. Um deles é Mical Damasceno, que vem a ser filha do pastor Pedro Aldir Damasceno, presidente da CEADEMA. Ela enfrentará as urnas pela segunda vez, já que na eleição de 2014, foi candidata a deputada federal pelo PSDC, obtendo pouco mais de dez mil votos, ou seja, ficando bem distante de conquistar uma cadeira na Câmara. Desta vez, mais consciente do grande desafio das urnas, resolveu ser candidata a deputada estadual, onde suas chances devem melhorar, dependendo de qual partido ela esteja e de como ficarão de fato as regras para as eleições do ano que vem.

O outro nome ungido a disputar um mandato estadual com o apoio da igreja, é o pastor Heber Waldo Silva, que é mais conhecido no meio evangélico como pastor Bel. Ele chegou a ensaiar uma candidatura ao senado pelo Partido Progressista (PP), em 2010, mas acabou sendo convencido a entrar na chapa do senador Edson Lobão, como segundo suplente.

Ao que parece, Bel mantém uma boa relação com Lobão, mesmo durante os sete anos em que passou se ao longo de sete anos que se passaram desde que Lobão foi eleito. Curiosamente, o pastor Bel vinha exercendo um cargo comissionado no gabinete do senador Lobão, como auxiliar parlamentar Junior, segundo mostra o portal da transparência do senado. Mas Bel, já foi também nomeado no Governo de Roseana Sarney, na Casa Civil. Segundo o Blog do Luis Pablo, na época, pastor Bel foi nomeado para o cargo em comissão de Assessor Especial de Apoio Institucional, no Símbolo Isolado, que pode chegar a mais de R$ 14 mil. E o melhor, só para receber, sem trabalhar.

Posse no senado

Mas nesta semana, os ventos sopraram mais favoráveis no rumo do pastor Bel, que assumiu nesta segunda-feira (18), a vaga do senador Edison Lobão (PMDB), que se licenciou do Senado por 120 dias. Segundo informações do jornalista Jhon Cutrim, o acordo para que Bel assumisse foi feito no último dia 11 em Chapadinha pelo empresário Edinho Lobão, primeiro suplente do pai. Ele esteve na cidade para participar, ao lado da ex-governadora Roseana Sarney, do evento da CEADEMA.

A articulação para a saída temporária de Lobão contou com a participação de Roseana, pré-candidata a governadora. Segundo apurou o blog, está é uma forma de ajudar Bel a se eleger deputado estadual, além de um gesto para a Assembleia de Deus.

Dino X Roseana

Na conversa com o pastor Fábio Leite, foi perguntado sobre qual será o posicionamento da igreja Assembleia de Deus diante da disputa para o governo. Sem titubear, o pastor foi taxativo em afirmar que a igreja deverá marchar com o atual governador Flávio Dino. Ele ressalta que Flávio Dino tem conquistado um merecido espaço junto aos evangélicos mediante seus projetos de governo e também as parcerias e apoio destinados para os eventos realizados pelas igrejas evangélicas.

 

Deixe o seu comentário